quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

MULHER COBRA É ENCONTRADA MORTA

Mito, farsa, ou uma triste realidade, cabe a nossos leitores decidirem isso. video

Marido afirma que mulher foi estuprada por homem invisível


Um marido foi até a delegacia, preocupado e perturbado, dar queixa de um caso de estupro ocorrido com sua própria esposa. O suspeito do atentado é ninguém menos que um homem invisível!

O jovem, de 20 anos, contou às autoridades da Malásia que sua esposa teria tirado suas roupas, tocado o corpo e gemido enquanto dormia. Sendo assim, ele chegou à conclusão bizarra (depois de visitar um médium) de que a mulher foi estuprada pelo tal homem invisível.

Durante a visita ao guia espiritual, a explicação que o homem ouviu foi que alguém havia usado magia negra para roubar a alma de sua esposa e estuprá-la.

O marido não teve dúvidas: “vamos denunciar o sacana”! O problema é que a polícia não pôde fazer muita coisa sobre o fato. Os oficiais disseram que não poderiam prender um homem invisível, provavelmente pela dificuldade em enxergar o meliante…

O caso ficou sem solução, mas o homem deve estar dormindo com os olhos bem abertos até hoje, a fim de tentar ver o tal estuprador. Para facilitar, alguém poderia contar para o casal a lenda do Incubus/Sucubus, quem sabe eles ficariam mais tranquilos.

Vaticano evita comentar especulação sobre demissão de Bento 16


O porta-voz do Vaticano, o padre Federico Lombardi, evitou comentar a hipótese de uma demissão do papa Bento 16, lançada ontem pelo bispo emérito de Ivrea, monsenhor Luigi Bettazzi.
“Não há nada sério e nada a dizer”, afirmou o porta-voz nesta terça-feira, durante uma coletiva de imprensa.
Lombardi recordou que o próprio Bento 16 falou sobre a possibilidade de pedir demissão no livro-entrevista “Luz do Mundo”, do jornalista alemão Peter Seewald, no qual o papa diz que isso pode ocorrer em caso de doenças graves que o impeçam de realizar suas funções.
“Sobre os boatos dos últimos dias, não tem nada a se fazer com tudo isso, nem com a hipótese de demissão”, afirmou.
Na obra de Seewald, Bento 16 diz que, se um papa tem consciência de que não está mais apto “fisicamente, psicologicamente e espiritualmente a exercer os deveres do cargo, tem o direito e, em algumas circunstâncias, a obrigação de se demitir”.
Mas, segundo o pontífice, só pode haver demissão “em um momento de paz”, e não em períodos de tensões ou escândalos.
Ontem, em entrevista à imprensa italiana, Bettazzi afirmou acreditar na possibilidade de Bento 16 se demitir. “Não, não acredito na ideia de um complô contra o papa, mas sim, na eventualidade de uma demissão”, comentou o bispo.
Nos últimos dias, os jornais italianos publicaram um boato de que há um plano para matar Bento 16.
O Vaticano, porém, negou a especulação e fontes da segurança disseram que não foi registrado nenhum incidente que pudesse levar à desconfiança de um possível complô. Elas também informaram que os sistemas de segurança não foram modificados depois do boato.